Saeb 04 de Dezembro de 2002

Saeb mostra estabilidade no desempenho dos estudantesAnos ¿

Relatório com análise dos resultados da avaliação será encaminhado a todas as secretarias estaduais e municipais de Educação

O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica – Saeb 2001 mostra que os resultados globais do desempenho dos estudantes no Brasil permaneceram estáveis em relação a ultima avaliação, realizada em 1999. As provas de Língua Portuguesa e Matemática foram aplicadas em uma amostra de 288 mil alunos de sete mil escolas públicas e privadas de todas as unidades da Federação. Participaram da avaliação estudantes da 4ª e 8ª séries do ensino fundamental e da 3ª série do ensino médio. (veja Relatório Síntese 2001)

A comparação com o Saeb 99 demonstra que, nas disciplinas avaliadas, o rendimento dos estudantes da 8ª série do ensino fundamental e do 3º ano do ensino médio, no Brasil, apresenta tendência de estabilidade, sem mudança significativa nas médias, considerando o intervalo de confiança dos resultados. Na 4ª série do ensino fundamental há uma variação negativa de 5 pontos, em Matemática, e de 6 pontos em Língua Portuguesa.

Deve-se registrar que somente na 4ª série do ensino fundamental são avaliadas as escolas rurais do Nordeste, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul, que historicamente têm desempenho inferior às escolas urbanas. Por outro lado, a matrícula da 4ª série no Brasil cresceu 5%, entre 1997 e 2001, enquanto que no Nordeste, no mesmo período, o número de alunos nesta série aumentou 22%. Nessa região, segundo dados de 2001, 42% da matrícula da 1ª a 4ª série estão em escolas rurais. Esses estabelecimentos só foram incluídos na amostra do Saeb em 1999.

Os resultados da avaliação também devem ser compreendidos e analisados a partir de um contexto de grande incorporação de crianças à rede escolar em todos os estados e regiões do País. Em 1994, 92,7% das crianças entre 7 e 14 anos estavam na escola e, em 1999, o índice subiu para 97%, praticamente universalizando o atendimento. As regiões Norte e Nordeste foram as que mais incorporaram alunos. No Nordeste, o índice passou de 87,3% para 95,6%, no mesmo período, e no Norte, de 88,9% para 95,8%.

De acordo com o Saeb, os resultados das regiões e dos estados indicam que na 8ª série do ensino fundamental e na 3ª série do ensino médio, praticamente não há alteração das médias, dentro do intervalo de confiança, nas duas disciplinas avaliadas. Na 4ª série, 11 estados e três regiões apresentam queda nas médias em Matemática. Nesta mesma série, em Língua Portuguesa, sete estados e duas regiões tiveram diminuição nas médias, levando-se em conta o intervalo de confiança dos resultados.

O Saeb analisou ainda fatores associados ao rendimento dos alunos e revela que alunos em atraso escolar apresentam rendimento bastante inferior aos alunos na idade correta. As características das escolas e a formação dos professores também interferem na média dos resultados. 

Secretarias de Educação de todo o País receberão resultados do Saeb

Todas as 5.561 secretarias municipais de Educação do País e as 27 secretarias estaduais irão receber relatórios pedagógicos do Saeb que analisam o desempenho em Língua Portuguesa e Matemática. Os relatórios também serão enviados às escolas e aos professores que participaram da amostra da avaliação, assim como a todos os estabelecimentos de ensino de médio e grande porte do País. Além destes, as faculdades, institutos de Educação e cursos de formação de professores também receberão o material.

Nos relatórios estão analisados 40 itens utilizados nas provas, para cada série e disciplina, nos quais se aponta a lógica dos erros cometidos pelos alunos. O objetivo é que esse material possa ser utilizado pedagogicamente, pelos gestores e pelos docentes nas salas de aula, como instrumento para a melhoria do ensino.

Saeb revela níveis de conhecimento dos alunos

Na prova de Língua Portuguesa, a média dos alunos da 4ª série do ensino fundamental é de 165. Esse resultado está localizado no Nível 2 da escala de desempenho do Saeb, com oito níveis. Neste nível, os estudantes são capazes de localizar informações explícitas em textos narrativos curtos ou dados implícitos, acompanhados de ilustrações, e reconhecem, ainda, o tema de texto narrativo simples. Em 1999, o resultado situou-se no mesmo nível, com média de 171.

A média na prova de Matemática é de 176 e coloca a 4ª série no Nível 3 da escala de resultados, com dez níveis para essa disciplina. Nesse nível, os estudantes conseguem identificar, em representações gráficas, a localização de objetos situados no mesmo referencial em que se encontram, calculam o resultado de operações envolvendo intervalos de tempo em situações cotidianas e resolvem adições e subtrações com até três algarismos e multiplicação e divisão com um número. Há dois anos, o desempenho dos alunos ficou no mesmo nível, com média de 181.

Na 8ª série do ensino fundamental, em Língua Portuguesa, os estudantes obtiveram média de 235 e se posicionaram no Nível 4 da escala de desempenho do Saeb, o mesmo registrado em 1999, com média de 233. Neste caso, não há diferença estatisticamente significativa entre as médias, considerando o intervalo de confiança. No Nível 4, além das habilidades construídas nas séries e níveis anteriores, eles demonstram competência para estabelecer comparações, localizar informações explícitas em textos veiculados em jornais, distinguir um fato da opinião relativa a esse fato em textos narrativos simples, identificar a descrição de um lugar em textos publicitários e o tema de um texto poético de baixa complexidade.

Em Matemática, a média na prova é de 243 e posiciona a 8ª série no Nível 4 da escala para essa disciplina. Com esse desempenho, além das habilidades construídas nas séries e níveis anteriores, os alunos demonstram conhecimento para estabelecer relações entre medidas de tempo e resolver problemas usando dados em gráficos de barras ou tabelas, localizam pontos utilizando coordenadas em um referencial quadriculado e identificam, em tabelas, peso, altura e outros dados. Há dois anos, o desempenho dos alunos ficou no mesmo nível, com média de 246, sem diferença estatisticamente significativa para 2001.

Na 3ª série do ensino médio, o desempenho dos estudantes em Língua Portuguesa teve média de 262 e corresponde ao Nível 5 da escala de desempenho. Na avaliação anterior, em que a média foi de 267, o rendimento ficou no mesmo nível. Em relação à média não há queda de desempenho, levando em conta o intervalo de confiança dos resultados. Nesse nível, os alunos, além das habilidades já construídas nas séries e níveis anteriores, são capazes de localizar informações explícitas em fragmentos de textos narrativos simples e identificam, tanto em provérbios como em notícias de jornal, o sentido de palavras e expressões de maior complexidade. Eles também conseguem interpretar gráficos sobre boletins meteorológicos, reconhecer o efeito de sentido decorrente da exploração dos recursos morfossintáticos e estabelecer relação entre tese e argumento em textos jornalísticos.

O desempenho em Matemática alcançou média de 277 entre os estudantes da 3ª série, o que também corresponde ao Nível 5 da escala de desempenho. Do ponto de vista pedagógico, os alunos que estão neste nível, além das habilidades construídas nas séries e níveis anteriores, conseguem localizar objetos em representações gráficas, resolver problemas simples relacionados a grandezas e medidas, utilizar o conceito de progressão aritmética e ler e interpretar tabelas com dados reais. Em comparação com a avaliação de 1999, em que a média foi de 280, não houve mudança em relação ao nível de desempenho e nem em relação à média que ficou dentro do intervalo de confiança.

Saeb – Médias e Níveis de Desempenho em 1999 e 2001

Anos

                                        1999

2001

 

Média

Intervalo de confiança

Nível

Média

Intervalo de confiança

Nível

 

3

Matemática

 

4ª série E.F.

181,0

(179,1 - 182,9)

3

176,3

(174,4 – 178,1)

3

8ª série E.F

246,4

(243,8 - 248,9)

4

243,4

(240,7 – 246,1)

4

3ª serie E.M

280,3

(276,6 - 284,0)

5

276,7

(273,7 – 279,7)

5

 

Língua Portuguesa

 

4ª série E.F

170,7

(168,7 - 172,8)

2

165,1

(163,2 – 167,0)

2

8ª série E.F

232,9

(230,8 - 235,1)

4

235,2

(232,3 – 238,0)

4

3 série E.M.

266,6

(263,3 - 269,9)

5

262,3

(259,3 – 265,4)

5

Fonte: Saeb/Inep/MEC

Resultados apresentam mudanças em estados e regiões

Em Língua Portuguesa, na 4ª série, houve queda estatisticamente significativa de média entre os dois últimos anos de aplicação do Saeb na região Nordeste e nos estados do Maranhão, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Sergipe e Bahia. Também foi registrada diminuição de média na região Centro-Oeste e no estado do Mato Grosso do Sul. Deve-se observar, no entanto, que nos estados da região Nordeste e no Mato Grosso do Sul a aplicação dos testes contemplou, além das escolas urbanas, as escolas rurais que apresentaram desempenho inferior às demais. 

Em Matemática, na 4ª série, a região Norte e os estados do Acre e do Pará apresentaram queda nas médias. Também apresentaram diminuição nas médias a região Nordeste e os estados do Maranhão, Piauí, Ceará, Paraíba, Alagoas, Sergipe e Bahia. Da mesma forma, a região Centro-Oeste e os estados do Mato Grosso do Sul e Goiás tiveram variação negativa das médias, considerando o intervalo de confiança dos resultados do Saeb. 
Na 8ª série, em Língua Portuguesa, à exceção de Rondônia, cujo desempenho em 2001 é significativamente superior ao de 1999, todos os demais resultados se mantiveram estáveis entre os dois anos. Nesta série, em Matemática, houve queda nas médias na região Nordeste e no estado do Ceará. Todos os demais resultados ficaram estáveis, considerando os intervalos de confiança.

Na 3ª série do ensino médio, os resultados de Língua Portuguesa mostram que o Paraná teve queda de desempenho e todos os demais estados permaneceram estáveis. Em Matemática não foi registrada nenhuma modificação nas médias que tenha significado estatístico. 

Escolas das capitais e particulares obtêm maiores médias

Em Língua Portuguesa e Matemática, os resultados nacionais mostram que os alunos da 4ª série do ensino fundamental das escolas das capitais obtêm maiores médias de desempenho que os estudantes de escolas do interior. Em Língua Portuguesa, por exemplo, a média das capitais, no Brasil, é de 176 contra 162 do interior. Segundo o relatório do Saeb “alguns fatores devem ser considerados para a análise desse resultado: nas capitais, em geral, as escolas possuem melhor infra-estrutura e tanto os alunos como professores têm, nas capitais, acesso a uma maior variedade de bens culturais”.

Já na região Sudeste não existe diferença significativa entre a capital e o interior para o desempenho em Língua Portuguesa na 4ª série. Este fato se repete, em Matemática, nas regiões Sul e Sudeste. Isso ocorre porque são estados em que o nível de desenvolvimento socioeconômico do interior é semelhante ao das capitais.

Na 8ª série, as médias das capitais também são superiores às alcançadas pelas escolas do interior nas duas disciplinas avaliadas. São exceções as regiões Sudeste e Norte. 

Para a 3ª série do ensino médio, os resultados do Brasil para Língua Portuguesa indicam que não há diferença estatística entre a média das escolas localizadas nas capitais e no interior. Já em Matemática, as médias das capitais superam as do interior. 

Em todas as séries que participaram da avaliação as médias das escolas particulares são maiores que o desempenho das escolas municipais e estaduais, tanto para Matemática como para Português. Na 8ª série do ensino fundamental, em Língua Portuguesa, por exemplo, a média é de 282 para as escolas particulares e de 229, tanto para a rede municipal como para a estadual. Em geral não há diferença de desempenho no Saeb entre as escolas das redes municipais e estaduais. 

Níveis de desempenho mostram o que alunos sabem e são capazes de fazer

Além das médias para cada série avaliada em Matemática e Língua Portuguesa, o Saeb utiliza escalas de desempenho, divididas em intervalos, para descrever e comparar a performance dos alunos entre as unidades da Federação e em diferentes períodos. As médias alcançadas pelos alunos situam-se em um intervalo dentro da escala, chamado de nível de desempenho e que possui correspondência com o que o aluno é capaz de compreender e realizar.

O desempenho dos alunos está sempre ordenado de forma crescente e cumulativa. Existe uma única escala para Língua Portuguesa e uma outra para Matemática. Os alunos posicionados nos níveis superiores, que exigem maiores médias, possuem habilidades e competências que os habilitam a resolver questões mais complexas.
Em Matemática a escala é formada por dez níveis de desempenho: Nível 1 (125 a 150), Nível 2 (150 a 175), Nível 3 (175 a 200), Nível 4 (200 a 250), Nível 5 (250 a 300), Nível 6 (300 a 350), Nível 7 (350 a 375), Nível 8 (375 a 400), Nível 9 (400 a 425) e Nível 10 (425 e acima).

Em Língua Portuguesa a escala possui oito níveis de desempenho: Nível 1 (125 a 150), Nível 2 (150 a 175), Nível 3 (175 a 200), Nível 4 (200 a 250), Nível 5 (250 a 300), Nível 6 (300 a 350), Nível 7 (350 a 375) e Nível 8 (375 e acima).

Assessoria de Imprensa do Inep: (61) 410-8023 / 8037 / 9563